Notícias

Por que as Eleições Americanas importam?


Nas últimas semanas presenciamos, mais uma vez, aquele que é um dos maiores eventos políticos do mundo. As eleições nos EUA atraem atenção de todos pela sua complexidade e pela sua capacidade de impactar a economia, o meio ambiente e inúmeras questões sociais mundo afora. Depois de uma contagem longa e conturbada, as emissoras americanas deram o veredito no final da manhã de sábado, dia 07: o representante do Partido Democrata, Joe Biden, vai ocupar o Salão Oval a partir do dia 20 de Janeiro de 2021.

É possível que você esteja se perguntando “Como algo que acontece em um país tão distante vai afetar o meu dia a dia e o meu bolso?” 

A resposta é complexa (como tudo nas Eleições Americanas):

A Questão do Clima

Foram raríssimas as vezes que o Brasil foi diretamente citado em um debate das Eleições Americanas, mas isso aconteceu em 2020. Joe Biden, então candidato, citou os incêndios na Amazônia Brasileira e falou da possibilidade de aplicar sanções econômicas ao Brasil caso a situação não se normalize.

Embora as chances de sanções mais agressivas sejam mínimas, dado o longo histórico de relações amigáveis entre Brasil e EUA, há chances reais que questões como o clima e direitos trabalhistas dificultem os planos do Governo Brasileiro para entrar na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Um sonho chamado OCDE

A OCDE é uma espécie de clube de países que colaboram entre si para o desenvolvimento econômico de todos os membros. A maioria dos países que compõem o bloco são nações desenvolvidas,  a entrada do Brasil na Organização seria um enorme ganho de status.

Na prática, este avanço possibilitaria uma maior entrada de capital estrangeiro, aumentaria a geração de empregos e facilitaria os processos de importação e exportação, fortalecendo a economia brasileira como um todo.

A entrada do Brasil na OCDE já era uma questão que se movia a passos lentos a mais de três anos, uma mudança na postura do governo americano pode significar um complicador a mais nesta situação.

A cotação do dólar pode cair

O novo presidente americano tende a adotar políticas que geram grandes gastos governamentais e aumentam impostos, isso levaria uma uma queda na cotação do dólar, o que é benéfico para economias emergentes, como o Brasil.

Nos últimos meses vimos de perto os estragos que o dólar alto pode fazer no bolso do brasileiro, quando o preço de itens básicos foi às alturas. Em um cenário com o dólar em menor valor as chances disso voltar a acontecer são menores.

Mas vale lembrar que nem tudo depende da moeda americana, o Real não está em seu melhor momento. A possível queda do Dólar pode ajudar, mas está muito longe de ser uma solução definitiva.

E para o investidor?

Teoricamente o presidente americano não tem poder para influenciar diretamente na bolsa brasileira, mas uma declaração mal interpretada pode causar um tsunami político em todo o mundo, o que, inevitavelmente, respinga no investidor brasileiro.

Nos últimos quatro anos investidores do mundo todo se acostumaram a assistir crises diplomáticas que surgem a partir de um simples tweet. Em momentos de instabilidade os grandes investidores preferem colocar o seu dinheiro em países mais seguros. Nesses casos quase sempre vemos uma queda na bolsa brasileira.

Com a eleição do democrata há a expectativa de uma maior estabilidade no cenário internacional, isso ajudaria os investidores brasileiros, mesmo os pequenos.

Aconteça o que acontecer, você está no controle

Independentemente de todas as instabilidades do cenário internacional, quem está no controle das suas finanças é você, e a Conta ZAP pode te ajudar. Com a nossa ajuda você pode cuidar melhor do seu dinheiro, sem ficar horas em uma fila e sem toda a burocracia do bancos tradicionais. Que tal abrir a sua conta hoje mesmo? Acesse e confira: http://zapconta.co/contazap 

Dicas
5 dicas para não ser enganado na Black Friday
Notícias
Inclusão através da tecnologia |NSC|
Notícias
Banco por WhatsApp é seguro? |NSC|
There are currently no comments.